Sábado, 23 de Setembro de 2017, 16:57   |   68 Usuários OnLine   |   Fale Conosco
Construção Shopping Presentes para Namorada
 
 

Almofadas, Ursinhos e Bichinhos de Pelúcia
Você esta em: Construção Shopping » Seguranças de construtoras estariam usando armas de choque no Noroeste


Seguranças de construtoras estariam usando armas de choque no Noroeste

Os conflitos entre manifestantes que defendem a manutenção do Santuário dos Pajés, no Setor Noroeste, e as empresas responsáveis pela construção do novo bairro se acirraram mais uma vez na manhã de ontem.

Os militantes e os seguranças das empresas entraram em combate quando uma cerca foi derrubada. Segundo os jovens, eles foram atingidos com cassetetes e até por uma arma de choque. A empresa Snake Segurança negou utilizar esse tipo de armamentos.

Desde a última semana, ambientalistas, estudantes e pessoas que defendem a manutenção da reserva indígena no setor vêm promovendo manifestações na área.

De acordo com a professora Kamila Xavier, 28 anos, o dia foi tumultuado em virtude de o grupo ter recebido mais adeptos. "Foi mais desorganizado porque veio muita gente. Mas nós estamos sofrendo violência com cassetete, spray de pimenta, arma de choque. A nossa posição continua a mesma. Vamos continuar resistindo", disse.

O documentarista Antônio Francisco, 27 anos, que acompanha as ações que envolvem o Setor Noroeste desde 2007, foi agredido por volta das 11h, quando fotografava o momento em que os manifestantes derrubavam as cercas da Emplavi. "Tudo começou quando nós encontramos funcionários trabalhando ilegalmente dentro da área. Eu estava gravando e um segurança me deu um choque", afirmou.

O diretor da Snake Segurança, Diogo Almeida, entretanto, alega que a empresa não utiliza esses equipamentos. "Não utilizamos esse tipo de armamento e com certeza isso não aconteceu. Os manifestantes estão usando táticas para tirar o foco do fato de eles estarem destruindo o patrimônio das empresas", afirmou. Segundo Almeida, quem toma um choque de uma arma cai no chão e fica paralisado por cerca de cinco a 10 minutos, o que não aconteceu. Para ele, isso prova a inexistência da pistola na área. Antônio Francisco, por sua vez, explica que, de fato, não ficou paralisado, mas garante que o choque foi dado. "Na hora, todo mundo viu. Tanto que redes de tevê transmitiram ao vivo e as minhas tias me ligaram para saber se estava tudo bem. Eu só não registrei ocorrência por conta da greve da Polícia Civil", detalhou o documentarista.

O major Marcos Vinicius Antunes, que comandou a operação no local, disse que a PM não estava presente no momento do incidente. "Pude ver, pelas imagens da tevê, que o choque foi dado. O agressor será responsabilizado."

Desrespeito
Os manifestantes voltaram a derrubar cercas porque, segundo eles, as empresas teriam desrespeitado a decisão emitida na última sexta-feira pela juíza federal Clara da Mota Santos, que determina a paralisação de qualquer obra nos 50 hectares do Setor Habitacional Noroeste. "As empresas não receberam uma intimação direcionada, pois os réus na ação civil pública são a Funai, a Terracap e o Ibram. Isso não significa, no entanto, que possam descumprir a determinação provisória de não edificar, uma vez que toda a área está em litígio."Clara disse ainda que vai adotar todas as medidas cabíveis, inclusive o acionamento da Polícia Federal, para que as deliberações sejam respeitadas.

As empresas Emplavi, Brasal e João Fortes negaram que o conflito tenha acontecido em suas áreas. O diretor da Brasal, Dilton Junqueira, afirmou não ter sido comunicado sobre a decisão da Justiça. "Não recebemos essa decisão, mas, em um movimento de boa vontade, interrompemos 100% das atividades desde a sexta-feira." Em nota, a Emplavi informou que "até o presente momento, não houve nenhum confronto entre manifestantes, seguranças e funcionários da Emplavi no Setor Noroeste. Os embates ocorridos aconteceram nos canteiros de obra da João Fortes Engenharia e da Construtora Brasal, na Quadra 108 daquele setor".

A Terracap também convocou uma reunião com as empresas, a Funai e o Ministério Público para tentar solucionar o problema.

Sem sustentação
A área ocupada no setor Noroeste não é considerada terra indígena pela Fundação Nacional do Índio (Funai).Segundo o indigenista do órgão Mário Moura, o laudo apresentado para comprovar a tese não se sustenta. Além disso, segundo ele, a maioria das pessoas que vivem no local sequer são lideranças indígenas.
Fonte: lugarcerto.com.br

Compartilhar: Salve no Delicious Comente no digg Publique no facebook Marcar no Google BookMarks Postar no MySpace Twit-this! Windows Live  

Comentários sobre esta notícia

Esta notícia ainda não teve nenhum comentário.

Seja o primeiro, comente já!


Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu Nome:
Seu E-mail: (não será publicado)
Seu Site:
Seu Comentário: (Caracteres restantes: )

 
 
MN Engenharia e Gerenciamento
Brasil Post Móveis
B&N Projetos
Doka Bath Works
Vidraçaria Brasil
Quintal Paisagismo
 

Siga-nos no Twitter!
Links | Parcerias
Banheira
Banheiras
Banheiras Contemporâneas
Banheiras Vitorianas
Banheiras para Bebés
Bichinhos de Pelúcia
Reprodução Humana em São Paulo
Dentista Paraíso
Marketing em Medicina
Treinamento de vendas
Marketing para Clínicas
Gráfica Rápida em São Paulo
Inseminação Artificial em São Paulo
Abdominoplastia São Paulo
Agência de Publicidade em Campinas
 
 
 
Novos Anúncios
Últimos Anuncios
Domos e Clarabóias Azulejos, Pisos e Revestimentos Portas e Janelas Divisórias e Box Telhas Banheiros Tijolos Areia e Pedra Cerâmica Engenharia
Top 5 Anúncios
 
ConstruçãoShopping.com.br
© 2009-2017 Direitos Reservados.
  Desenvolvido por
Argon | Otimização de Sites