Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017, 21:16   |   2 Usuários OnLine   |   Fale Conosco
Construção Shopping Presentes para Namorada
 
 

Almofadas, Ursinhos e Bichinhos de Pelúcia
Você esta em: Construção Shopping » Arborização urbana é discutida na Frutal Amazônia e Flor Pará


Arborização urbana é discutida na Frutal Amazônia e Flor Pará

Arborização urbana é discutida na Frutal Amazônia e Flor ParáO paisagismo e a qualidade de vida foram tema de palestra na Frutal Amazônia e Flor Pará neste sábado (22). O coordenador do Plano Diretor de Arborização Urbana de Belém, Paulo Porto, e a paisagista Simone Rezende, de Belo Horizonte, falaram da difícil missão de manter as cidades arborizadas e floridas por causa do vandalismo e da falta de educação do povo.

Em Belém a ocupação desordenada e a eliminação dos quintais com árvores deixaram pouco espaço para o verde na cidade. O plantio de árvores e jardins enfrenta o vandalismo e a falta de educação de pessoas que destroem ou arrancam as mudas. O desconhecimento de moradores que não se preocupam em saber as espécies e os locais adequados acaba plantando também problemas futuros.

A arborização é usada como instrumento de desenvolvimento urbano, promovendo a qualidade de vida e equilíbrio ambiental. "A árvore faz parte da vida da cidade e da população", informou Paulo Porto. É necesário conscientizar o povo por meio da educação, o que já vem acontecendo nas escolas por meio de palestras. "A educação ambiental é um processo longo e precisa ser permanente", disse Porto.

 A luta agora é pela preservação das áreas verdes de ilhas como Outeiro, Mosqueiro e Cotijuba, onde a especulação imobiliária e invasões de terra já destruíram grande parte das matas nativas. É preciso também investir na pesquisa para saber como adaptar vegetais rústicos da floresta no ambiente da cidade com poluição, barulho e asfalto.

Em Belo Horizonte, onde os problemas não são diferentes, a preocupação é incentivar a criação de espaços verdes nas residências com plantio de hortas e plantas ornamentais. Os novos condomínios têm que deixar 30% de área permeável, mas quando recebem o "Habite-se", cimentam tudo ou plantam espécies inadequadas.

O gasto com reposição de mudas é muito alto por causa da inexistência de variedade das espécies nativas, como o bioma do cerrado e mata atlântica e a mão de obra não qualificada. As mudas são importadas principalmente de São Paulo.

Leni Sampaio – Sagri
Fonte: Agencia Para

Compartilhar: Salve no Delicious Comente no digg Publique no facebook Marcar no Google BookMarks Postar no MySpace Twit-this! Windows Live  

Comentários sobre esta notícia

Esta notícia ainda não teve nenhum comentário.

Seja o primeiro, comente já!


Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu Nome:
Seu E-mail: (não será publicado)
Seu Site:
Seu Comentário: (Caracteres restantes: )

 
 
MN Engenharia e Gerenciamento
Brasil Post Móveis
B&N Projetos
Doka Bath Works
Vidraçaria Brasil
Quintal Paisagismo
 

Siga-nos no Twitter!
Links | Parcerias
Banheira
Banheiras
Banheiras Contemporâneas
Banheiras Vitorianas
Banheiras para Bebés
Bichinhos de Pelúcia
Reprodução Humana em São Paulo
Dentista Paraíso
Marketing em Medicina
Treinamento de vendas
Marketing para Clínicas
Gráfica Rápida em São Paulo
Inseminação Artificial em São Paulo
Abdominoplastia São Paulo
Agência de Publicidade em Campinas
 
 
 
Novos Anúncios
Últimos Anuncios
Domos e Clarabóias Azulejos, Pisos e Revestimentos Portas e Janelas Divisórias e Box Telhas Banheiros Tijolos Areia e Pedra Cerâmica Engenharia
Top 5 Anúncios
 
ConstruçãoShopping.com.br
© 2009-2017 Direitos Reservados.
  Desenvolvido por
Argon | Otimização de Sites