Sexta-Feira, 16 de Abril de 2021, 07:56   |   88 Usuários OnLine   |   Fale Conosco
Construção Shopping Presentes para Namorada
 
 

Almofadas, Ursinhos e Bichinhos de Pelúcia
Voc esta em: Construo Shopping » "Da Materialidade ao Vazio"


"Da Materialidade ao Vazio"

O artista plástico Márcio Prado faz a abertura de seu projeto Desinstalação nesta quarta-feira (18), às 18 horas no Jardim Externo do Museu Oscar Niemeyer (MON). Na ocasião ele vai apresentar a exposição "Da Materialidade ao Vazio" que consiste na montagem de um cubo (com medidas de 2,0 x 2,0 x 2,0 metros) formado por 4096 cubos maciços de cerâmica refratária, sendo que cada unidade foi recoberta com um esmalte cerâmico específico que, após seis semanas, será fragmentado em 64 partes, gerando módulos de 64 unidades. Estes módulos serão deslocados gradualmente para espaços públicos e privados na cidade de Curitiba.

Márcio conta que a proposta artística da sua desinstalação pretende estabelecer uma proposição onde "Matéria" e "Vazio" sustentam um discurso artístico. Uma segunda questão é considerar a unidade como absolutamente suficiente. "Montar e desmontar o meu trabalho tem sido uma prática recorrente desde 2004, ano em que expus no 16º Salão Paranaense de Cerâmica Consciente In-consciente Totale. Trabalhos que já traziam a temática do cubo de cerâmica maciço organizados por intervalos. Esta ideia de matéria e espaço envolvente começava a direcionar o meu trabalho. O verbo montar pode engendrar no seu reverso o desmontar".

O título "Da materialidade ao vazio" tem correspondência imediata com a exposição Cheio e Vazio, apresentada pelo artista em 2008 no Memorial de Curitiba. "Naquela ocasião tornava-se evidente para mim o quanto a matéria amalgamava o direcionamento daquele trabalho. Matéria e Vazio comportavam-se como acontecimentos que o sustentavam". Para ele pensar em desinstalar é pensar em desconstruir. "No entanto, prefiro aguardar o tempo deste trabalho para assumir um posicionamento".

O artista comenta que os pequenos cubos maciços de cerâmica refratária que compõem a obra, além de terem sido produzidos pela indústria, serviram à própria indústria. "Foram adquiridos do desmanche de um forno industrial. Coincidência ou não parece que o destino deles está em servirem a um propósito para depois partirem". Sobre o processo de pesquisa em esmaltes cerâmicos, ele diz que é bastante amplo. "Não podemos tratá-lo somente como cor. A reação química dos componentes do esmalte e da massa cerâmica são os fatores determinantes para o resultado. Tendemos às cores queimadas, pois trabalhamos praticamente em uma faixa de alta temperatura, ou seja, acima de 1200ºC. A cor é fundamental para reafirmar a diferença e a presença da unidade".

Após seis semanas de exposição o cubo será fragmentado em 64 partes, gerando módulos de 64 unidades. Estes módulos serão deslocados gradualmente para espaços públicos e privados na cidade de Curitiba. O artista faz segredo. "Estes espaços mesmo que confirmados serão revelados somente após o deslocamento. Os espaços que pretendo deslocar os módulos são de duas naturezas: instituições de representatividade no coletivo, ou seja, que estabelecem um diálogo consideravelmente penetrante na sociedade e, espaços que considero de enclausuramento, onde os indivíduos ali presentes encontram-se separados da sociedade. A proposta é interferir na dinâmica destes espaços com a presença dos módulos".

Márcio Prado explica que ao término do último deslocamento será instalada uma nova peça, com as mesmas medidas composta por duas lâminas de vidro, uma transparente e a outra espelhada nas duas faces, colocadas em ângulo de 90º sob o solo de areia que sustentava o peso de aproximadamente 16 toneladas do cubo que será desinstalado. "É imediata a minha relação do vidro e do espelho com o vidrado aplicado nos cubos refratários é quase como a permanência da memória de uma antiga vestimenta. No entanto, o espelho tem um aspecto analítico de passagem, de abertura para outro lugar", finaliza.
 
 
O ARTISTA – Márcio Montoril Prado (São Paulo, 1970) é formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Londrina, Londrina (1996). Atualmente conclui a pós-graduação em História da Arte Moderna e Contemporânea na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Curitiba.
Estudou desenho gráfico no Centro de Formación Aplicada – Punta Fina, Madri (1997-1998). Atuou como designer gráfico e roteirista de CD-ROM, Rio de Janeiro (1998-1999).
Radicado em Curitiba desde 2000, quando iniciou seu trabalho de pesquisa em cerâmica e escultura no Atelier de Escultura da Fundação Cultural de Curitiba – Parque São Lourenço.
Atualmente desenvolve seu trabalho em atelier próprio e no Atelier de Escultura da Fundação Cultural de Curitiba.

SERVIÇO

Local: Jardim Externo do Museu Oscar Niemeyer

Endereço: Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Data e horário: 18 de maio (quarta-feira), às 18h

Preço: Entrada gratuita


 

Fonte: bemparaná

Compartilhar: Salve no Delicious Comente no digg Publique no facebook Marcar no Google BookMarks Postar no MySpace Twit-this! Windows Live  

Comentrios sobre esta notcia

Esta notícia ainda não teve nenhum comentário.

Seja o primeiro, comente já!


Envie seu comentrio sobre esta notcia
Seu Nome:
Seu E-mail: (no ser publicado)
Seu Site:
Seu Comentrio: (Caracteres restantes: )

 
 
Brasil Post Móveis
B&N Projetos
Doka Bath Works
Vidraçaria Brasil
Quintal Paisagismo
TelhaNorte
 

Siga-nos no Twitter!
Links | Parcerias
Móveis para Área Externa
Banheira
Banheiras
Banheiras Contemporâneas
Banheiras Vitorianas
Banheiras para Bebês
Marketing em Medicina
Marketing para Clínicas
Agência de Publicidade em Campinas
Cirurgia Endovascular
Embolização de Miomas Transformação Digital
Lente de contato dental São Paulo
 
 
 
Novos Anúncios
Últimos Anuncios
Domos e Clarabóias Azulejos, Pisos e Revestimentos Portas e Janelas Banheiros Divisórias e Box Telhas Tijolos Areia e Pedra Cerâmica Churrasqueiras
Top 5 Anúncios
 
ConstruçãoShopping.com.br
© 2009-2021 Direitos Reservados.
  Desenvolvido por
Argon | Otimização de Sites