Quarta-feira, 12 de Agosto de 2020, 11:39   |   40 Usuários OnLine   |   Fale Conosco
Construção Shopping Presentes para Namorada
 
 

Almofadas, Ursinhos e Bichinhos de Pelúcia
Voc esta em: Construo Shopping » Barreiras acústicas e eco-limites: A “arquitetura do constrangimento” no Rio


Barreiras acústicas e eco-limites: A “arquitetura do constrangimento” no Rio

Por Felipe Felix 15/05/2011 às 17:12

Discussão sobre a implantação de barreiras acústicas e eco-limites no Rio de Janeiro.

Quem circula pela Linha Vermelha no Rio de Janeiro, já deve ter observado as emblemáticas barreiras acústicas que contornam uma série de comunidades que integram o Complexo da Maré. Tratam-se de estruturas que , segundo o discurso da prefeitura, servem para “proteger” os moradores destas comunidades do barulho e de acidentes na via.

Sob outra forma, discurso e protagonista – desta vez, o Governo do Estado – estão os eco-limites impostos sobre as comunidades do Santa Marta e Rocinha, projetados para cobrir também outras comunidades do Rio.

Os eco-limites fazem parte do mesmo modelo de política segregacionista na qual se inserem as barreiras acústicas de Eduardo Paes . No discurso de Sérgio Cabral, muito bem alinhado ao projeto de cidade de Paes , os chamados “eco-limites” serviriam ao propósito de proteção de áreas verdes ainda não ocupadas por estas comunidades.

Segundo o site Planeta Sustentável, foram gastos cerca de R$ 40 milhões oriundos do Fundo Estadual de Conservação Ambiental com os eco-limites. Estes foram propostos pelo Governo do Estado como alternativa para conter o avanço populacional das comunidades selecionadas, porém são contraditórios aos dados divulgados pelo Instituto Pereira Passos referentes ao período de 1998 – 2008 que apontaram para a estabilização ou mesmo decréscimo no número de residentes nessas comunidades.

Tal fato mostra que o discurso de Paes e Cabral em defesa dos eco-limites e das barreiras acústicas esconde , na realidade, um projeto de apronfudamento da segregação sócio-espacial e do cerceamento não apenas simbólico, mas também físico da pobreza no Rio de Janeiro.

Essa é a “arquitetura do constrangimento” , expressão cunhada pela Profª Julieta Nunes do IPPUR/UFRJ. Trata-se da delimitação física entre a cidade legal e a cidade ilegal, entre a cidade que se quer mostrar e a que se quer esconder.

Na política da “Cidade Maravilhosa”, não há espaço para o que não é “belo”aos olhos de Paes e Cabral. Neste cenário, o cerco à pobreza se dá em múltiplas formas e direções, cumprindo , no entanto, o mesmo papel ideológico: a delimitação do território, impondo “limites” para que cada classe social ocupe o lugar que lhe é permitido na cidade.

Email:: felix.ufrrj@gmail.com
URL:: http://blogviramundo.blogspot.com


 

Fonte: Correio do Brasil

Compartilhar: Salve no Delicious Comente no digg Publique no facebook Marcar no Google BookMarks Postar no MySpace Twit-this! Windows Live  

Comentrios sobre esta notcia

Esta notícia ainda não teve nenhum comentário.

Seja o primeiro, comente já!


Envie seu comentrio sobre esta notcia
Seu Nome:
Seu E-mail: (no ser publicado)
Seu Site:
Seu Comentrio: (Caracteres restantes: )

 
 
Brasil Post Móveis
B&N Projetos
Doka Bath Works
Vidraçaria Brasil
Quintal Paisagismo
TelhaNorte
 

Siga-nos no Twitter!
Links | Parcerias
Móveis para Área Externa
Banheira
Banheiras
Banheiras Contemporâneas
Banheiras Vitorianas
Banheiras para Bebês
Marketing em Medicina
Marketing para Clínicas
Agência de Publicidade em Campinas
Cirurgia Endovascular
Embolização de Miomas Transformação Digital
Lente de contato dental São Paulo
 
 
 
Novos Anúncios
Últimos Anuncios
Domos e Clarabóias Azulejos, Pisos e Revestimentos Portas e Janelas Banheiros Divisórias e Box Telhas Areia e Pedra Tijolos Cerâmica Engenharia
Top 5 Anúncios
 
ConstruçãoShopping.com.br
© 2009-2020 Direitos Reservados.
  Desenvolvido por
Argon | Otimização de Sites