Quinta-Feira, 14 de Novembro de 2019, 18:26   |   72 Usuários OnLine   |   Fale Conosco
Construção Shopping Presentes para Namorada
 
 

Almofadas, Ursinhos e Bichinhos de Pelúcia
Você esta em: Construção Shopping » EM RONDÔNIA: Madeireiros falam de suas dificuldades na Comissão Geral da Assembleia


EM RONDÔNIA: Madeireiros falam de suas dificuldades na Comissão Geral da Assembleia

Presidentes de associações de madeireiras de diversas localidades de Rondônia participaram na tarde desta terça-feira (26), no plenário da Assembleia Legislativa do debate na Comissão geral sobre as situações que estão afetando o setor, com a presença da secretária de Estado do Desenvolvimento Ambiental, Nanci Maria Rodrigues da Silva, o secretário-chefe da Casa Civil, Ricardo de Sá Vieira e o ex-ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e presidente do Conselho Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (Conedes).
Antonio Afonso, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia
Implantação de plano de manejo em pequenas propriedades o que vai ajudar muito o pequeno agricultor. Em Espigão há muita produção e não está tendo como fazer o aproveitamento da extração da madeira.
O presidente do Sindicato das Indústrias Madeireiras do Município (Simp), representando a Fiero, Ivandro Behenck disse que os madeireiros estão enfrentando terrorismo, como se fossem bandidos que não tivessem endereço. “Cheguei a Rondônia em 1977. Quem trouxe os primeiros recursos para este Estado foi o setor madeireiro. Nós que desbravamos, vamos ter nossa ficha recheada de crime ambiental e não poderemos participar da licitação em relação aos estudos das reservas estaduais. Estamos parados, não temos como trabalhar. Sempre fomos o maior gerador do ICMS. Precisamos da liberação imediata do manejo e do Documento de Origem Florestal (DOF), senão teremos que demitir, fechar as portas. Precisamos de uma resposta imediata da Sedam”, desabafou.
Dentre as reivindicações feitas pelo representante da Fiero estão o fim da Operação Arco de Fogo maior agilidade em relação a Sedam para liberar as empresas para trabalharem e, maior diálogo entre Poder Executivo, Poder Legislativo e madeireiros, colocando a Fiero à disposição. “Temos que pensar em longo prazo. Existem questões importantes para serem analisadas como a licitação das reservas estaduais e o reflorestamento (temos muito pouco em ciência e tecnologia nessa área)”, ressaltou.
O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Valter Araújo (PTB), disse que com  relação a esta Casa, que jamais dificultará o diálogo. “Essas discussões visam descobrir os anseios do setor madeireiro. Esta Casa é a ressonância dos anseios da sociedade de Rondônia e tem se posicionado com firmeza em defesa do setor produtivo do estado. Não temos poder decisório em nível federal, mas estamos tentando marcar uma audiência com a ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira para tentar acabar com esta Operação Arco de Fogo. Infelizmente nossa bancada federal não faz o seu papel. Temos senadores e deputados federais ligados ao setor que podem intervir em favor dos madeireiros”, observou Valter Araújo.
O representante da Comissão Luiz Valadares apresentou um breve histórico sobre o setor madeireiro no estado. “Conseguimos convencer na época que a Assembléia Legislativa fizesse um pacto federativo sobre a gestão ambiental que foi aprovado nos permitindo o gerenciamento. Os municípios de Cacoal, Ministro Andreazza, Espigão D’Oeste, Pimenta Bueno, Parecis, São Felipe, Primavera de Rondônia e Rolim de Moura estão há oito meses sob intensa fiscalização da Operação Arco de Fogo com cerca de 20 caminhonetes entre Ibama e Polícia Federal”, reclamou. Desafiou o presidente que os acompanhem em uma reunião, tome à frente e convoque a Bancada Federal, para acabar com essa operação. “Se não conseguirmos, que essa operação seja destinada a outros fins pois havido abuso de autoridade. Não temos nem força, nem estrutura. Seja nosso representante nessa questão”, encerrou.
O presidente da Associação dos Moveleiros de Rolim de Moura e Região, João Roberto Chagas falou que as empresas estão sendo fechadas. “Estamos enfrentando dificuldades há 10 anos. O setor moveleiro está acabando. O madeireiro extrai a madeira e o moveleiro a transforma. Compramos a madeira pronta, mas pagamos as mesmas taxas. “É preciso desonerar a certificação e fazer a legalização do setor. Hoje 90% do setor estão trabalhando informalmente. Para fazer a licença ambiental temos que pagar de R$ 7 a 8 mil. Para fazer a renovação o engenheiro florestal cobra R$ 4 mil. É impossível uma empresa pequena se legalizar”, informou. Ao encerrar, pediu à secretária Nanci Silva seja sensível a situação dos moveleiros. Também pediu aos deputados que façam uma Lei para que as pequenas empresas possam se cadastrar sem precisar do engenheiro florestal.
Fonte: ARIQUEMES ONLINE

Compartilhar: Salve no Delicious Comente no digg Publique no facebook Marcar no Google BookMarks Postar no MySpace Twit-this! Windows Live  

Comentários sobre esta notícia

Esta notícia ainda não teve nenhum comentário.

Seja o primeiro, comente já!


Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu Nome:
Seu E-mail: (não será publicado)
Seu Site:
Seu Comentário: (Caracteres restantes: )

 
 
MN Engenharia e Gerenciamento
Brasil Post Móveis
B&N Projetos
Doka Bath Works
Vidraçaria Brasil
Quintal Paisagismo
 

Siga-nos no Twitter!
Links | Parcerias
Antenas
Suporte para Antenas
Banheira
Banheiras
Banheiras Contemporâneas
Banheiras Vitorianas
Banheiras para Bebés
Clínica de Reprodução Humana
Marketing em Medicina
Marketing para Clínicas
Inseminação Artificial
Agência de Publicidade em Campinas
Cirurgia Endovascular
Embolização de Miomas Clínica de Fertilização
Transformação Digital
Lente de contato dental São Paulo
 
 
 
Novos Anúncios
Últimos Anuncios
Domos e Clarabóias Azulejos, Pisos e Revestimentos Portas e Janelas Divisórias e Box Banheiros Telhas Tijolos Areia e Pedra Cerâmica Engenharia
Top 5 Anúncios
 
ConstruçãoShopping.com.br
© 2009-2019 Direitos Reservados.
  Desenvolvido por
Argon | Otimização de Sites