Quarta-feira, 04 de Agosto de 2021, 03:42   |   61 Usuários OnLine   |   Fale Conosco
Construção Shopping Presentes para Namorada
 
 

Almofadas, Ursinhos e Bichinhos de Pelúcia
Voc esta em: Construo Shopping » Cerâmicas passam por processo de modernização


Cerâmicas passam por processo de modernização

As cerâmicas do Oeste e Sudoeste do Paraná passam por um processo de modernização. São, na maioria, empresas familiares que, com o apoio de instituições como a Mineropar, o Sebrae e o Senai, fizeram modificações no processo de fabricação e no uso e processamento da matéria-prima, a argila, para melhorar a produção e a qualidade do produto. As empresas estão investindo também em novos maquinários e aumentando seus barracões para acompanhar o mercado e se tornarem mais competitivas.

"A modernização é obrigatória. Em cinco anos, quem não se modernizar ficará fora do mercado. A mão de obra ficou muito cara e os equipamentos estão cada vez mais acessíveis", afirma o empresário Élcio José Egewarth, sócio-proprietário da Cerâmica Stein, há 31 anos no mercado de tijolos em Entre Rios do Oeste, no Oeste do Estado.

A Mineropar, por meio do programa Pró-Cerâmica, colocou a serviço das empresas do segmento a sua experiência em pesquisa geológica e de processos cerâmicos. O objetivo é fazer com que as cerâmicas lavrem a argila de maneira correta, cumprindo todos os requisitos legais, e aproveitem ao máximo a matéria-prima, evitando desperdícios.

"Os técnicos da Mineropar dão palestras, recolhem amostras e fazem ensaios para melhorar a qualidade dos produtos e de todo o processo de fabricação cerâmica", diz o responsável pelo Pró-Cerâmica, o geólogo Luciano Cordeiro de Loyola. Segundo Loyola, a Mineropar está atualmente envolvida com centenas de empresas cerâmicas no Paraná, onde atuam aproximadamente 700 empresas do segmento.

A empresa trabalha em parceria com o Senai e o Sebrae, todos envolvidos no projeto "Desenvolvimento do Setor de Cerâmicas Vermelhas nas 28 Cidades da Bacia do Paraná 3", do qual participam 22 empresas.

Resultados

A Cerâmica Stein, de Entre Rios do Oeste, passou por modificações nos últimos quatro anos. Egewart investiu na pré-preparação da argila (sazonamento), aproveitou o maquinário que tinha e fez alterações no galpão. A empresa melhorou também a qualidade do produto e o rendimento da extrusora que molda o tijolo, a secagem e a queima do produto. O resultado é um tijolo mais resistente e redução nos custos.

"O custo de fabricação do tijolo caiu 10%. O rendimento da extrusora melhorou 40%. A produtividade em geral também melhorou", afirma Egewart. Este crescimento da empresa ocorreu, segundo o empresário, graças aos treinamentos dados pela Mineropar, Sebrae e Senai.

Segundo o empresário Mário Antonio Pasquali, proprietário da Cerâmica São Cristovão, há 40 anos no mercado de telhas em Medianeira, no Oeste do Paraná, a ação da Mineropar e do Sebrae está ajudando no processo de modernização. "A Mineropar participou com a análise da matéria-prima e a incorporação de matérias inertes na massa argilosa e o Sebrae, com cursos e consultoria", diz Pasquali.

Ele investiu mais de R$ 1,2 milhão nos últimos três anos, na pré-preparação da massa, melhoria da homogeneidade do produto final, incorporação de pó de pedra na massa cerâmica, o que ajuda na secagem, eliminando as trincas e dando mais resistência às telhas. Pasquali ampliou a área de secagem, melhorou a padronização de cor da telha e investiu também em um forno-túnel para queimar o produto, em um caixão alimentador e equipamentos de ventilação.

Ele afirma que a modernização é uma exigência do mercado para qualquer empresa. "É preciso se adequar às leis ambientais. Não tem mais volta. Ou se investe ou a empresa some do mercado", disse Pasquali.

Na opinião do sócio-proprietário da Cerâmica Martelli, Leoberto Martelli, o caminho das cerâmicas é a modernização para diminuir os custos da produção e substituir a mão de obra por equipamentos. A empresa está há 17 anos no mercado, em Medianeira, na região Oeste, e fabrica tijolos e lajotas de vários tipos e tamanhos. Martelli também defende mudanças na legislação que proíbe a extração de argila em áreas úmidas, para não inviabilizar investimentos.

Nos últimos anos, o empresário investiu R$ 800 mil – recursos da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, para pagar num prazo de cinco a dez anos – em equipamentos e processos. Comprou uma secadora, implantou a queima com o pó de serra, passou a adicionar pó de pedra na argila, reformou a empresa e este ano entrou na era da automação, instalando um extrusora. Com o apoio da Mineropar, fez mapeamento de áreas e ensaios para o aproveitamento de resíduos da matéria-prima.

Martelli diz que os investimentos melhoraram a qualidade dos produtos e proporcionaram redução do custo com mão de obra.

Para o sócio-diretor da Indústria Cerâmica Pasquali, Edgar Luiz Pasquali, todos os investimentos realizados na empresa proporcionaram ganhos de produção e produtividade. A indústria, que até 1996 estava instalada no município de Pérola do Oeste, hoje fabrica tijolos em Capanema, na região Sudoeste do Paraná. A mudança foi incentivada por um levantamento geológico feito pela Mineropar em Capanema a pedido da prefeitura, para a localização de possíveis áreas de argila.

De acordo com Edgar Pasquali, a estruturação e modernização da indústria foram feitas com dificuldade, mas com objetivos definidos, buscando novas tecnologias, incorporadas após a participação em palestras, cursos e inúmeras visitas a empresas de outras regiões do País. A Cerâmica Pasquali investiu R$ 2 milhões nos últimos cinco anos visando a modernização da empresa, que melhorou a qualidade dos tijolos e se tornou mais competitiva e lucrativa. O investimento mais significativo, segundo Edgar Pasquali, foi a instalação de um forno túnel para a queima de materiais, que substituiu antigos fornos obsoletos.

Atualmente, diz ela, uma das preocupações do segmento é com a escassez das áreas de argila da região. "A maioria está averbada como reserva legal e pela legislação atual não poderá mais ser explorada".

O proprietário da Cerâmica Zaminham, Leodacir Zaminham, é mais otimista. "A região não é muito rica em matéria-prima, mas o melhor reaproveitamento dos produtos e subprodutos aumentará o tempo de existência das jazidas", acredita.

A Cerâmica Zaminham está há 40 anos no mercado e produz telhas em Serranópolis do Iguaçu, na região Sudoeste. O empresário investiu aproximadamente R$ 100 mil na modernização da empresa. A modificação maior, realizada há dois anos, foi na área de produção, com a compra de equipamentos e mudanças no processo.

Como resultado, Zaminhan contabiliza a melhoria de qualidade das telhas, a diminuição das quebras e a elevação do percentual de telhas de qualidade superior, hoje em cerca de 30%.

Fonte: odiario.com

Compartilhar: Salve no Delicious Comente no digg Publique no facebook Marcar no Google BookMarks Postar no MySpace Twit-this! Windows Live  

Comentrios sobre esta notcia

Esta notícia ainda não teve nenhum comentário.

Seja o primeiro, comente já!


Envie seu comentrio sobre esta notcia
Seu Nome:
Seu E-mail: (no ser publicado)
Seu Site:
Seu Comentrio: (Caracteres restantes: )

 
 
Brasil Post Móveis
B&N Projetos
Doka Bath Works
Vidraçaria Brasil
Quintal Paisagismo
TelhaNorte
 

Siga-nos no Twitter!
Links | Parcerias
Móveis para Área Externa
Banheira
Banheiras
Banheiras Contemporâneas
Banheiras Vitorianas
Banheiras para Bebês
Marketing em Medicina
Marketing para Clínicas
Agência de Publicidade em Campinas
Cirurgia Endovascular
Embolização de Miomas
Dentista em Curitiba
Lente de contato dental São Paulo
 
 
 
Novos Anúncios
Últimos Anuncios
Domos e Clarabóias Azulejos, Pisos e Revestimentos Portas e Janelas Banheiros Divisórias e Box Telhas Tijolos Areia e Pedra Cerâmica Churrasqueiras
Top 5 Anúncios
 
ConstruçãoShopping.com.br
© 2009-2021 Direitos Reservados.
  Desenvolvido por
Argon | Otimização de Sites