Domingo, 27 de Setembro de 2020, 22:36   |   55 Usuários OnLine   |   Fale Conosco
Construção Shopping Presentes para Namorada
 
 

Almofadas, Ursinhos e Bichinhos de Pelúcia
Voc esta em: Construo Shopping » Por que a arquitetura de cloud computing incomoda executivos?


Por que a arquitetura de cloud computing incomoda executivos?

Muitos executivos se incomodam com o fato de provedores de computação em nuvem partilharem o mesmo hardware para abrigar dados confidenciais corporativos, ainda assim, o real fator de desperdício é a má organização de processo internos nas empresas. Esse é o alerta do editor da CIO.com. Bernard Golden.

Uma das reações mais interessantes que percebemos em executivos de TI é a crítica quanto às vantagens de manter dados da corporação sem servidores hospedados na nuvem e sua propensão a preferir investir altos volumes de recursos em estruturas locais para dar conta do armazenamento e da distribuição das informações na empresa.

Quando se fala que sistemas redundantes – característica fundamental dos ambientes em nuvem – são essenciais para manter o sistema rodando em uma fração de seu desempenho total com vistas a garantir maior disponibilidade, criticam inclusive essa tática por acreditar tratar-se de um desperdício total de recursos.

De alguma maneira, a percepção de que os recursos de TI devem ser tratados como bens de baixo custo e, portanto, devem superar as necessidades da organização, vai contra crenças canônicas de toda a TI. Essa se baseia na otimização desses recursos – volto a repetir – baratos para justificar seus altos custos.

Acontece que a TI não é um recurso caro. Servidores são, na melhor das avaliações, estupidamente baratos. O mesmo pode ser dito sobre o custo de conexões. O que dizer sobre recursos para armazenamento? A 60 dólares por disco rígido com capacidade de 1 TB, não há o que discutir.

Resistência

Sempre nos deparamos com empresas resistentes a adotar novas arquiteturas de computação em nuvem parecem esquecer que o custo real em uma companhia não é o equipamento ou a tecnologia e, sim, as pessoas. Todos, sem exceção, de administradores, a TI e colaboradores do Help Desk.

As pessoas envolvidas nos processos da empresa e alocadas na gestão de recursos preciosos e de valor dificilmente mensurável são as “peças” que causam resistência na máquina da empresa.

Um exemplo bem prático

O entendimento discrepante acerca de valor gerado e custo confunde, inclusive, executivos de outra áreas. Um nicho que parece não entender direito esse fenômeno é o dos editores.

Esses, muitas vezes, comercializam a versão impressa de obras literárias por preços inferiores às versões digitais – vendidas para leitura em e-books, como o Kindle. A impressão que fica é que os editores têm dificuldade em entender que o preço mais baixo de distribuição é o que possibilita vendas em maior volume desse produto. Em outras palavras, eles parecem ignorar a elasticidade dos preços e preferem proteger com unhas e dentes seus modi operandii a atender a realidade imposta pelos livros eletrônicos: o esquecimento das páginas impressas. Assim que uma editora der o primeiro passo e reduzir os preços das versões digitais de seus livros, a indústria inteira dará um pulo e, da noite para o dia, adotará o mesmo modelo.

A revolução dos livros eletrônicos é importante para a indústria de TI entender um fato: é importante repensar a rotina de configurar processos operacionais com vistas a assegurar o funcionamento da estrutura e atentar para um cenário econômico em constante mutação. A repulsa por desperdício de recursos de TI e a condição pavloviana da gestão às requisições de investimento em recursos que parecem funcionar direito merecem ser reavaliadas seriamente à luz do baixo preço dos insumos de TI.

A maioria das estratégias de computação em nuvem que tenho percebido, parte do princípio de ser possível substituir uma infraestrutura por outra, mais ágil, sem levar em consideração a reestruturação dos processos e das rotinas. É análoga à percepção dos editores, crentes do potencial dos livros digitais e, ainda assim, teimando em manter os preços altos.

Está chegando a hora em que editores e CIOs vão despertar para a necessidade de repensar suas táticas em uma época que muitas de suas rotinas são perfeitamente questionáveis e incompatíveis com os tempos. A estratégia para operação de cloud computing deve ser incorporada com vistas a realizar mais que a simples aceleração dos processos atuais.

A computação em nuvem irá liderar uma revolução na infraestrutura, na arquitetura das aplicações e finalmente nos processo de TI e a forma como são organizadas. No vácuo da redução de custos, virá o banimento da economia de recursos baratos o que certamente será o maior marco dessa revolução e aos CIOs caberá partir rumo à otimização da eficiência de processos – ponto chave no sucesso de uma empresa.

 

Fonte: Computer World

Compartilhar: Salve no Delicious Comente no digg Publique no facebook Marcar no Google BookMarks Postar no MySpace Twit-this! Windows Live  

Comentrios sobre esta notcia

Esta notícia ainda não teve nenhum comentário.

Seja o primeiro, comente já!


Envie seu comentrio sobre esta notcia
Seu Nome:
Seu E-mail: (no ser publicado)
Seu Site:
Seu Comentrio: (Caracteres restantes: )

 
 
Brasil Post Móveis
B&N Projetos
Doka Bath Works
Vidraçaria Brasil
Quintal Paisagismo
TelhaNorte
 

Siga-nos no Twitter!
Links | Parcerias
Móveis para Área Externa
Banheira
Banheiras
Banheiras Contemporâneas
Banheiras Vitorianas
Banheiras para Bebês
Marketing em Medicina
Marketing para Clínicas
Agência de Publicidade em Campinas
Cirurgia Endovascular
Embolização de Miomas Transformação Digital
Lente de contato dental São Paulo
 
 
 
Novos Anúncios
Últimos Anuncios
Domos e Clarabóias Azulejos, Pisos e Revestimentos Portas e Janelas Banheiros Divisórias e Box Telhas Areia e Pedra Tijolos Cerâmica Engenharia
Top 5 Anúncios
 
ConstruçãoShopping.com.br
© 2009-2020 Direitos Reservados.
  Desenvolvido por
Argon | Otimização de Sites